SIDEMOUNT OU BACKMOUNT - PARTE I


SIDEMOUNT OU BACKMOUNT ?

Parte I. A escolha no MERGULHO RECREATIVO.

Sidemount é a “solução para todos os meus problemas”? É tolice minha preferir o “backmount” para diversos mergulhos?

Atrás ou do lado ? Imagem do www.tekdiverminiatures.com

Tenho notado com o passar do tempo, e mais fortemente nestes dois últimos anos, gente muito boa criticando vorazmente quem ainda não trocou o set “backmount” por uma configuração de “sidemount”. E também muita gente boa criticando tão vorazmente o sidemount. No Facebook há discussões quentíssimas, e em grupos do Whatsapp há até “irmandades”. Por que isto está acontecendo ?

Primeiro porque tem muita gente boa que começou, especialmente o mergulho técnico, e quase sempre o treinamento por cavernas, já no side, e portanto não sabe nem como é ter duplas nas costas. E porque tem muita gente boa que usa duplas nas costas, que nunca sequer experimentou a configuração com os cilindros montados dos lados... Então a primeira coisa a fazer é saber se quem está tentando te levar para um lado ou outro da “força” tem real conhecimento sobre o que critica, já que normalmente defende o que tem mais usado, ou a única coisa que tem usado. Outra coisa importante nesta discussão, é que o side resolve muitas questões incomodas em determinados tipos de mergulho, mas pode criar outras tão incomodas quanto em outros tipos de mergulho. O mesmo para a configuração backmount, sem dúvida.

Os sistemas sidemount com colete específico e reguladores customizados, e o sistema backmount com plate, asa e reguladores customizados vieram do mergulho técnico para o mergulho recreativo e hoje são muito disseminados para equalização de uma mesma configuração pelo seu time de mergulho. Ambos foram criados para situações muito específicas que o mergulho em cavernas e/ou descompressivos exigem. Seus praticantes começaram em um momento a se indagar porque não adaptar a CONFIGURAÇÃO destes mergulhos e utilizá-las também em seus mergulhos em águas abertas e não descompressivos. Bons caras, boas credenciadoras e boas marcas passaram a investir neste conceito e passaram a produzir equipamentos e técnicas para tal.

É preciso entender que houve uma evolução muito grande sobre configurações mais padronizadas nos últimos anos, tanto num caminho mais minimalista para quem usa os cilindros nas costas, como para quem usa ao lado do corpo. Vale lembrar que quem era “DIR” se achava o “último gás da coca”, e quem “não era DIR” achava os caras, no mínimo, e para ser educado, muito arrogantes... isso no Brasil aconteceu já no meio dos anos 2000... E no sidemount, quando eu comecei a usar, em 2007, tivemos os primeiros coletes “off the rack”, aqueles que serviam para usar um cilindro simples ou duplas nas costas, ou usar os cilindros na lateral do corpo (uma maneira de convencer os mergulhadores a experimentar a técnica do side); os coletes com este conceito “multi-uso” hoje já são considerados uma espécie de “pato”, a ave que nada, voa e caminha, e não faz nada disso com muita elegância. A verdade é que atualmente, ambos os sistemas tentam se tornar cada vez mais inteligentes, e podemos usar seus benefícios sem ter que dizer que o outro não presta. Mesmo.

Vamos fazer uma análise e ver quando um é bom e o outro pode atrapalhar, e vice-versa. Você é um dos muitos mergulhadores que procuram um Centro de Mergulho, ainda como mergulhador recreacional, e está afim de comprar um sistema Scuba, e tem dúvida se:

  • Vai para um colete tipo jacket e regulador padrão, totalmente recreativos?

  • Compra um plate com asa pequena, adaptador para cilindro simples, e regulador com mangueiras customizadas?

  • Opta por um sistema sidemount, com um colete específico para isto e os reguladores também customizados?

Respondo esta pergunta com a primeira de uma série de outras perguntas que faço quando tento ajudar o mergulhador com estas dúvidas: onde você quer chegar como mergulhador?

Se a resposta é, com certeza absoluta, que você não vai passar do avançado e seu negócio é ver peixinhos em águas próximas da tua casa e em destinos tropicais, com águas claras e quentes, você pode ir para a opção “mais barata” (não querendo dizer o modelo ou marca mais barata, mas comparando as 3 opções citadas acima). Compre um colete equilibrador tipo asa, leve de carregar, lastro integrado, bons bolsos e alguns d’rings para guardar lanternas, carretilha e decomark, e um regulador de boa qualidade, já consagrado, balanceado com certeza absoluta. Opte por um manômetro apenas com um mosquetão na ponta, e um computador de mergulho de bom custo benefício. E vá ser absolutamente feliz.

Robin Loose voando com seu jacket mais regulador - totalmente recreativo - em Noronha. Click da Zaira Matheus.

Se você responder que está a fim de EVOLUIR como mergulhador, e isso inclui no mínimo após o avançado fazer um bom curso de naufrágio, e que a partir daí a idéia é ir para o técnico, caverna, quiçá um técnico descompressivo... Então senta que temos coisas importantes pra te contar. Este é o perfil do mergulhador que já pode buscar muita informação sobre ir pro sidemount ou para o backmount (que vamos definir aqui ser o conjunto plate + asa + reguladores customizados).

Primeiro lugar: parabéns por querer escolher entre dois sistemas e configurações que valorizam algumas características muito importantes nos melhores mergulhadores. Qualquer um dos dois vai facilitar (mas não resolver completamente, isso é com você e muito treinamento) seu trim (sua posição horizontal na água), sua distância “crítica” do fundo e do teto (flutuabilidade) e seus deslocamentos. E vamos dividir aqui as informações que te levarão a escolher um ou outro sistema.

Antes disso, é preciso entender que, nos dias atuais, optando por qualquer uma das duas configurações, elasnão foram feitas para “adaptações” esdrúxulas. Isso significa que para usar qualquer uma delas é necessário investir no COLETE EQUILIBRADOR correto, e no(s) REGULADOR(ES) com mangueiras CUSTOMIZADAS. Então entenda que não se adquire ou treina-se nestas configurações sem INVESTIR de uma só vez no sistema como um todo. Compreendeu? OK, continuemos, primeiro considerando apenas o mergulho recreativo. No próximo artigo, falamos de mergulho técnico com ambas configurações.

ADAPTAÇÃO. Ponto para o backmount.

Você certamente aprendeu a mergulhar já com um cilindro nas costas, com um colete equilibrador tipo jacket vest. Eu acredito que depois de configurado o plate para o seu tamanho, os arreios cortados corretamente, tudo posicionado devidamente nos d’rings (lanternas, deco e carretilha, manômetro) e o regulador principal já roteado e ancorado, e o da gargantilha no lugar, você deve levar entre 4 e 16 minutos na água para estar totalmente adaptado e se perguntando: porque eu não comecei usar isto antes?

O sidemount também exige uma customização do colete para o seu tamanho, e das mangueiras dos reguladores. Isto, como no caso do backmount, deverá ser bem feito por quem te vendeu o equipamento. Nos dois casos, se você comprar fora, talvez não haja o mesmo “humor” do Centro de Mergulho para fazer isto por você. Mas você não vai conseguir se adaptar bem e nem rápido se não fizer o curso de Mergulhador Sidemount (que tem diferentes nomes para diferentes credenciadoras). Levará, minimamente, uma aula teórica, uma teórico/prática para ajustar tudo em você, uma de piscina e pelo menos 4 bons mergulhos de águas abertas (eu já disse, minimamente). E mais de 4 a 20 mergulhos (o que tenho observado) para se sentir bem adaptado ao seu uso. O “sidemount não é para preguiçosos”!

Tem gente que compra um colete de side e quer sair usando. NUNCA dá certo. São mais detalhes para ajustar e muitas maneiras de usar, e aí mora o perigo. Estas muitas maneiras criam verdadeiros mostrengos subaquáticos... Infringindo uma das regras mais importantes em um time, a padronização de equipamentos. E aí está uma das razões das discussões quase violentas lá do primeiro parágrafo.

ACESSO AO(S) REGULADOR(ES). Ponto para o sidemount.

A adaptação no uso do backmount, como já dissemos é fácil, mas o primeiro estágio continua nas costas do mergulhador, o manômetro na lateral. Temos que ter alongamento suficiente para alcançar a(s) torneira(s) nas costas, e sempre desclipar e reclipar o manômetro para conferir a quantidade de gás. Por isso os cuidados têm de ser maiores nas inspeções antes do mergulho.

Inspeção e controle do seu regulador, vazamentos, e visualização do(s) manômetro(s). Estas são vantagens reais que o sidemount veio trazer para o mergulho de águas abertas. O tempo todo o mergulhador tem acesso tátil e visual a estes sistemas, seja quando usa um, ou quando usa dois cilindros. Com o side, no mergulho todo o controle é total.

PESO. Empate técnico (ei... eu estou falando de mergulho RECREATIVO!)

O conjunto plate em aço inox (o mais comum disparado), asa e adaptador é mais pesado que qualquer outro tipo de colete (jacket vest ou sidemount). Isso significa que você necessita de menos lastro na água, muitas vezes, dependendo do seu peso, se está em água doce ou salgada, e temperatura da água (menos neoprene), não necessita de lastro algum. Quando precisar há bolsos para lastro que podem ser montados na cinta que prende o colete ao cilindro ou no arreio da cintura. Além disso, com o peso do plate distribuído nas suas costas, o trim é facilitado justamente por esta melhor distribuição no corpo do mergulhador. Ou seja, no uso direto, várias vantagens. Mas quando você tem de transportar o equipamento em viagens aéreas, com as restrições cada vez maiores quanto a bagagem despachada nas cias aéreas, isso pode ser um problema. A solução é trocar para viagens por um plate de alumínio, mas que vai fazer com que tenha que usar mais lastro nas imersões, ou diminuir drasticamente camisetas e calçados...

O colete de sidemount (os menores, com asas de pouco lift) é o mais leve do mercado, comparado ao plate e a outros coletes equilibradores tipo jack vest. Então para o transporte é muito vantajoso, sem dúvida. Mas precisa de mais lastro e de um bom local para ser colocado. Há modelos de colete que já resolvem isto e vem com bolsos integrados, muitos nas costas do mergulhador, com a mesma eficiência na distribuição que um plate proporciona. Mas alguns deles não vêm e é um desafio onde colocar o lastro, podendo até piorar o trim. Esta é uma das razões pelo qual a adaptação ao uso do side exige treinamento orientado prévio (leia: curso) e mais mergulhos. E podem ser 2 primeiros estágios, pouca diferença no conjunto do peso, mas algo a mais, sem dúvida.

Eu em Roatan, com apenas um cilindro "escondido" no meu lado esquerdo. Foi "leve" levar no último trecho aéreo, com restrição de bagagem.

Foto do Fernando Romani.

E tem “o” ou “os” cilindros. No mergulho recreativo, um cilindro para backmount contra os dois do sidemount, é menos peso (mas não esqueça que posso levar apenas um cilindro no side também, aí dá empate). Comparando o uso de um cilindro, o side leva vantagem, já que se pode sempre colocar o cilindro na água e clipá-lo em você antes de afundar e desclipá-lo depois do mergulho, ainda antes de subir ao barco.

Um usa as costas e coluna para tracionar todo equipamento fora d’água, o side usa os bíceps. Para maioria dos mergulhadores é mais vantagem o sidemount, mas para mergulhadores pequenos, ter de carregar o(s) cilindro(s) com os braços pode ser mais difícil. Agora, se realmente o mergulhador tiver problemas de coluna e/ou costas, o sidemount tem aí uma vantagem tremenda, desde que você não tente se erguer, caminhar e subir escadas de barcos com eles pendurados.

Se há problemas de coluna, o side veio para resolver, desde que você combine direito com o pessoal de bordo que você não carrega o(s) cilindro(s) fora da água.

ACESSO AOS ACESSÓRIOS. Empate técnico, com leve vantagem ao backmount quando o assunto é lanterna(s).

Vamos considerar aqui que os acessórios que um mergulhador avançado tem de “pendurar” em seu colete serão suas duas lanternas, deco mark e carretilha (normalmente uma spool de 30 ou 45m).

Estes dois últimos acessórios se clipam no d’ring traseiro, tanto no colete do backmount como no do sidemount. No back, ficam “escondidos” atrás do cilindro, no side, expostos, vantagem ou desvantagem em ambos, dependendo o tipo de mergulho. Num naufrágio, expostos podem ser um ponto a enroscar, em um mergulho em águas abertas, o acesso rápido é bem mais confortável na hora de soltar um deco quando num mergulho de drift, por exemplo.

Já as lanternas são absolutamente mais fáceis de clipar nos arreios do plate, embaixo dos ombros. Já no sidemount, alguns poucos coletes tem espaço para isto, a maioria não, e ainda competiria com os quick releases das tiras dos ombros em alguns modelos. Isso significa que o ideal é colocar um bolso, ou na traseira do colete de sidemount, clipado ao butt plate, ou em um bolso da perna na roupa de mergulho, o que de qualquer modo “esconde” estes equipos. Se resolve no side optando por comprar um colete com arreio de fita única, sem quick releases, já disponíveis em algumas marcas.

OS PONTOS CHAVES ATÉ AQUI, QUANDO O ASSUNTO É MERGULHO RECREATIVO:

  • Escolha sua unidade Scuba – o colete e o regulador – de acordo com “onde” você quer chegar.

  • Escolha o backmount se você quer algo inteligente e de fácil adaptação, e pretende evoluir no mergulho técnico, em cavernas, mas especialmente em mergulhos descompressivos.

  • Escolha o sidemount se você quer se livrar de peso nas costas e quer usar por exemplo, o nitrox de forma mais agressiva (com dois cilindros). Se você é um líder de mergulho – Divemaster ou Instrutor – pense realmente nesta opção, por ter mais gás para seus alunos ou mergulhadores guiados. Se você pretende mergulhar em naufrágios e cavernas, é uma boa opção também.

  • Escolha um bom Instrutor em um bom Centro de Mergulho para a orientação de compra do backmount, preferencialmente onde há mergulho técnico.

  • Escolha da mesma forma para adquirir e fazer um treinamento em sidemount.

Então, para mergulho recreativo, é isso. Claro que alguns colegas Instrutores dirão, muitos pensarão, que tudo isso se equaliza com BOM TREINAMENTO e PRÁTICA. Eles têm razão, sem dúvida. Nenhum equipamento e sua configuração são mais importantes que a peça a qual eles são conectados, o mergulhador e seu cérebro. O que pretendi até aqui é mostrar as reais diferenças nos principais pontos para a escolha de onde seguir e qual escolher. Depois disso, mergulhe muito com seu equipamento, sem antes, se a escolha for o backmount, comprar bem orientado por um Instrutor que use essa configuração, e se a escolha for o sidemount, escolher também um excelente curso.

CENAS DO PRÓXIMO CAPÍTULO: falarei das diferenças no mergulho técnico. A “briga” vai ser boa, pois se no mergulho recreativo já tem muito que se pensar entre escolher uma ou outra configuração, quando há teto físico envolvido (naufrágios e cavernas) e/ou descompressão e mais cilindros, a escolha tem de ser ainda mais criteriosa. Este artigo foi escolhido para falar sobre CONFIGURAÇÃO de equipamentos, no mergulho recreativo e técnico. A intenção é lhe PROVOCAR, sempre, e fazer PENSAR sobre a real necessidade de cada tipo de equipamento e configuração, para que sua escolha seja a melhor para o tipo de mergulho que pretende praticar.

Sugestões e dúvidas, me contate pelo e-mail: reinaldo@acquanauta.com.br. Bons mergulhos ! Você merece !

por REINALDO ALBERTI

Instrutor de Mergulho Recreativo e Técnico (NAUITEC e IANTD). Treinador de Instrutores. Organizador de cursos e viagens especiais de mergulho. Pai do JR Advanced Diver Enzo. Engenheiro, MSc. MBA em Turismo e Entretenimento. Diretor do Dive Center Acquanauta | Centro de Mergulho.


108 visualizações

Endereço
Av. Repórter Nestor Moreira, 01
Mourisco Mar Botafogo,
Escola de Mergulho Coral de Fogo
Botafogo, Rio de Janeiro - RJ
CEP 22290-210

Ligue ou envie uma mensagem

Cel.:       (21) 96515-1629

Horário de Funcionamento
Segunda a Sexta das 9h às 18h